Banner

Axé Vavá

Ágil

/

COBRA ENGOLINDO O PRÓPRIO RABO.

A administração do município de Ipirá está no terceiro mandado contínuo nas mãos da macacada. Continuidade e condenação da gestão antecessora do ex-prefeito Diomário. O primeiro fato foi a condenação sem pena nem piedade do grande e belo palco da Praça do Mercado que era o orgulho do ex-prefeito Diomário. O novo administrador passou o xis naquela porcaria e mostrou que aquilo foi dinheiro do povo jogado fora. 

 Eu tenho a impressão que na “ordem do dia” da nova gestão deve constar a necessidade de eliminar tudo “mal feito” nesta terra, pelo ex-prefeito Diomário. Não sei até onde isso tem fundamento. Mas a brinquedoteca da Praça da Bandeira e á segunda da lista para cair no pau. O gestor Ademildo invocou que aquilo ali tem que acabar para ele colocar um Ponto para tirar documentação. No lugar de criança brincando na praça teremos a fila para documento começando às cinco da manhã e rodeada de subempregados tocando barraquinhas para defender um trocado. Essa pode ser uma visão do futuro. Do futurismo de Ipirá. 

Na mesma Praça da Bandeira, quando da reforma de 1 milhão de reais, o ex-prefeito Diomário colocou poucos bancos de madeira de péssima qualidade e inferiores aos que existiam e eram de cimento. Não deu outra, o vandalismo arrancou alguns bancos e a nova administração nem tchum. A praça está ficando sem bancos. 

Coisa para dar fim na praça é o que não falta: passeio Copacabana; tanque infestado de mosquito da dengue; o Maconhodromo, um coreto atrás de outro coreto; o Mijador mal localizado, de péssimo gosto, um obtuso escolho em plena praça; postes esquisitos com luminárias ridículas; meio-fio de cimento; falta de acessibilidade; canteiro de terra batida; garagem de caminhões. Tem muito para o novo gestor desmanchar, inclusive se aquela idéia brilhante de que a Praça da Bandeira é perigosa para crianças pela possibilidade de assalto à bancos, só resta dá adeus à creche. Esse é o Ipirá deixado de herança, uma herança perversa e maldita, pelo ex-prefeito Diomário. 

Muito diferente do Ipirá do prefeito atual, onde o cidadão sai cedo de “SUA CASA MINHA VIDA” entregue só Deus sabe porque e quando, enfrenta a fila para tirar documentos no PONTO CIDADÃO no fundo da igreja, depois pega o TRANSPORTE COLETIVO PÚBLICO licenciado e bem licenciado na prefeitura, deslizando nas ruas da cidade com o ASFALTAMENTO novinho em folha, cheirando a leite, mas sem sentir mal cheiro de esgoto devido ao SANEAMENTO URBANO de 32 milhões de reais que foi feito na cidade, passando pela Praça São José e enxergado uma espetacular e moderna BRINQUEDOTECA no meio daquela praça para o deleite e a algazarra infernal da meninada para encher a paciência das parturientes da Clínica Santa Helena e tudo isso para ir trabalhar na FÁBRICA DE CARRO ELÉTRICO. 

Alegre e satisfeito por ter uma quentinha recheada de carne de boi abatido no MATADOURO DE IPIRÁ, se tiver alguma congestão será imediatamente levado, sem demora, pela SAMU para o Hospital de Ipirá e se o caso tiver gravidade para a UTI desse mesmo hospital (que Deus o livre e guarde), onde uma equipe de médicos e enfermeiras do CETEP estará a sua disposição (que Deus o tenha com saúde plena) e estará salvo de qualquer ineficiência desse sistema de saúde pública nacional (não é o caso daqui de Ipirá) e, depois, ainda ter condições de escolher a universidade que porventura queira freqüentar: a ABERTA DO RECÔNCAVO, a da CHAPADA, ou a da UNEB e depois disso ainda ter a CASA DOS ESTUDANTES em Salvador sofredora da maior reforma já vista e imaginada. Isso é a Ipirá Virtual do novo gestor que não cansa de inaugurar obras. Tudo muito bonito e bem falado, alias, pensando bem “ tudo de boca”, porque a nova gestão ainda está num beco sem saída, no beco da Palhocinha. 

Postado por Agildo Barreto

Nenhum comentário:

Postar um comentário